Trabalhei num Pub... e não foi como nos filmes

February 27, 2018

Viver noutro país e experimentar outra cultura sempre foram um sonho por si só e por isso não estava muito preocupada em conseguir um trabalho na área logo de início. Não tinha grandes contactos e precisava de pagar a renda (caríssima por sinal) e por isso fui à procura de um trabalho num pub (sempre tive aquele bichinho do quão cool deveria ser trabalhar num pub pelo que vemos nos filmes).

Imprimi imensos currículos e fui entrega-los em todo o lado no centro de Londres (tive pessoas que nem sequer o aceitaram por demasiada experiência). Ao fim do dia já cansada parei no Punch and Judy em Covent Garden para beber uma cerveja. Aproveitei e deixei o meu último CV lá, já meio rasgado, sem esperança nenhuma - até receber uma chamada deles para uma entrevista.

Perguntaram-me porque é que me deviam escolher a mim em vez de a outra pessoa e eu disse-lhes que tinha sempre um sorriso para dar - e pediram-me que contasse uma anedota! O meu inglês não era na altura suficiente para isso e pediram-me que a contasse em português - fiquei com o trabalho (certamente porque não a entenderam).

O primeiro dia foi um pânico: nomes de bebidas que não conhecia, clientes turistas com diferentes sotaques, todo um sistema numa máquina registadora que demora a aprender, etc, etc. etc.

Deram-me uma camisa suja para usar e comecei o treino. Inicialmente estava atrás do bar a servir bebidas e a servir às mesas, metade-metade. Deparei-me com pessoas que nem perderam um segundo das suas vidas a olhar-me nos olhos ou a dizer-me bom dia. Foi uma lição para mim própria que actualmente faço questão de mostrar o valor que esses trabalhadores têm.

Rapidamente apanhei-lhe o jeito e passei só para trás do bar. O pub é um dos mais movimentados de Londres e por isso um dos mais difíceis para trabalhar. Tem dois andares e está sempre, sempre cheio. Conheci pessoas novas todos os dias, ouvi muita música, umas boas outras menos, aprendi de tudo um pouco sobre bebidas e melhorei muito o meu inglês.

Mas não foi como vemos nos filmes!

Eu queria trabalhar em part-time para ter tempo de procurar trabalho na área mas pediram-me que inicialmente trabalhasse full-time, 12 horas por dia. E assim foi.
Todos os dias acordava cedíssimo, demorava uma hora de caminho até lá, trabalhava até ao pub fechar, mais limpezas, mais stock, mais andar a pé meia hora porque o metro estava fechado, esperar pelo autocarro que vinha de meia em meia hora, mais 40 minutos até casa.
Tinha meia hora ou uma hora de intervalo para comer, dependendo das horas que trabalhasse, mas não podíamos usar as mesas do pub pelo que comíamos numas escadas ao lado dos caixotes do lixo. E as nossas coisas eram guardadas numa sala cheia de barris de cerveja e geralmente ao fim do dia estavam no chão encharcadas.

Ao fim de mais de três meses nisto, tive uma infecção respiratória, estava a trabalhar com febre e não me deixaram ir embora. Passadas umas horas mandaram uma outra rapariga para casa porque o pub não estava muito agitado nesse dia - e eu percebi que chegava.

Soube que noutros pubs a experiência pode ser bem diferente, mas não me arrependo. Foi mais uma experiência, e chegou.

Sobre Mim

Vivo em Londres há dois anos e tenho muitas saudades de escrever em português e essa é a principal razão pela qual criei este projecto. Sou uma eterna insatisfeita, apaixonada pela área criativa e viciada em comida italiana.